quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Universidade dos EUA oferece bolsas de MBA para brasileiros

Marshall School of Business da University of Southern California (USC), nos Estados Unidos, está oferecendo três bolsas de MBA (Master Business in Administration) gratuitamente para brasileiros interessados em cursar o seu programa de MBA internacional em 2016. 
Fundado em 1978, o IBEAR MBA, da UCS, é um programa acelerado em tempo integral de um ano, criado para profissionais em meio de carreira que estão sendo preparados para assumir altos cargos globais.
Em geral, os participantes do curso têm cerca de 34 anos e uma década de carreira profissional.
As bolsas podem chegar a 45 mil dólares (cerca de 174 mil reais). Os alunos selecionados também receberão auxílio moradia, que pode chegar a 15 mil dólares (cerca de 58 mil reais) para quem viaja com os filhos.
O processo seletivo leva em conta a experiência profissional do candidato, formação acadêmica, testes (GMAT e TOEFL), cartas de recomendação e de candidatura.
Os interessados devem ter, no mínimo, seis anos de experiência profissional e diploma de bacharel antes do início do MBA. As inscrições estão abertas até 1 de maio de 2016 e terá o início das aulas em setembro de 2016.
 FONTE: Revista Exame

terça-feira, 29 de setembro de 2015

Começou a 34ª Semana Literária Sesc e XIII Feira do Livro Editora UFPR


Teve início dia 28 de setembro, na praça Santos Andrade em Curitiba, em frente a Universidade Federal do Paraná, com o tema “Poesia na cidade, cidade na poesia”, a 34ª Semana Lietarária do SESC e XIII Feira do Livro da Editora UFPR. A semana Literária acontece em outras 22 cidades do interior do estado onde o Sesc está presente. A participação é gratuita.
A feira vai até dia 3 de outubro, e reúne diversas livrarias e editoras. A programação inclui palestras e debates acerca do tema proposto, com a intenção de aproximar autores do grande público. A temática urbana é um dos elementos marcantes da poesia moderna. A aproximação entre literatura e experiência urbana como, por exemplo, os cenários e as formas da cidade servem à criação poética. A relação entre cidade e experiência emotiva aponta para a participação da cidade na formação de um indivíduo.
Também haverá o comércio de milhares de títulos trazidos por editoras de todo país e contação de histórias para o público infantil.
Neste ano o autor homenageado é Manoel de Barros, um dos principais escritores contemporâneos do país. A patrona é a poeta curitibana Alice Ruiz, com 21 livros publicados, entre poesia, traduções e uma história infantil.






segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Universidade de Cambridge oferece bolsas de estudo para pós

Universidade de Cambridge, na Inglaterra, está com inscrições abertas para o Gates Cambridge Scholarships, programa que oferece bolsas de estudo integrais para cursos de pós-graduação da instituição.
São oferecidas 55 bolsas de estudo, divididas entre programas de PhD (3 anos de duração), mestrados (2 anos), MBA e pós-graduação (1 ano). Não há qualquer tipo de restrição em relação à área de estudo do candidato.
As bolsas cobrem todos os custos relacionados aos estudos na universidade, incluindo mensalidades, taxas, passagens áreas de ida e volta e visto. Além disso, incluem uma ajuda de custo que pode chegar a até 14.300 libras para o aluno se sustentar durante seu período no Reino Unido.
Para concorrer ao benefício, é preciso pleitear uma vaga no curso desejado na Universidade de Cambrigde pelo processo de application (candidatura) convencional. A recomendação é que o aluno se candidate à universidade e ao Gates Cambridge Scholarships ao mesmo tempo.
O processo de seleção das bolsas inclui envio do histórico escolar, cartas de recomendação e de intenções, explicando por que você merece ser selecionado. Já a seleção da universidade, em geral, envolve também teste de proficiência em inglês e provas padronziadas (GMAT OU GRE, dependendo do curso).
O Gates Cambridge Scholarships busca candidatos que apresentem excelência acadêmica, potencial de liderança, compromisso em melhorar a vida de outras pessoas e que tenha um bom ajuste acadêmico com a universidade (é importante ter bons argumentos para justificar por que você quer estudar em Cambridge).
As inscriões vão até o dia 2 de dezembro. Os melhores candidatos serão entrevistados entre os dias 22 e 24 de março de 2016. Os nomes dos aprovados serão divulgados no final de março. Saiba mais no site do programa.
* este artigo foi originalmente publicado pelo Estudar Fora, portal da Fundação Estudar
FONTE: Revista Exame

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

5 características de professores adeptos das tecnologias

Hoje em dia, qualquer tipo de ferramenta digital se tornou aliada do ensino. Como uma das preocupações dos professores é encontrar maneiras de proporcionar mais conhecimento para os alunos, o melhor mesmo é buscar sempre boas plataformas para tal. Muitos professores têm investido no uso de tecnologia na educação, com a finalidade de aumentar a interação entre os estudantes com os conteúdos e, consequentemente, o rendimento de cada um deles.
Novas tecnologias educacionais requerem um período de adaptação, mas logo que passa essa fase, os professores que têm um retorno positivo adquirem certas características. Eles passam a criar mais opções de ensino, já que dispõem de materiais didáticos impressos e digitais.
Abaixo, veja os principais aspectos pessoais para ter uma boa experiência com as inovações no ambiente escolar. Veja cinco características de professores adeptos das tecnologias.

1- Boa adaptação
É essencial que os professores entendam que lidar com tecnologia é aprender mais e mais a cada dia, porque ela está mudando sempre. Por isso, os docentes precisam entender o funcionamento geral da plataforma que escolheram, para conseguirem lidar com pequenas mudanças e os possíveis problemas que acontecerão.
Além disso, o professor precisa ter um perfil criativo para conseguir explorar as vantagens das plataformas e entreter os alunos completamente. Eles podem usar vídeos, aulas expositivas, imagens etc.
2- São bem preparados
professor que usa tecnologia monta as aulas com antecedência para fornecer conteúdos de qualidade para os alunos, bem como procura responder todas as dúvidas que surjam durante a aula da melhor maneira possível.
E mais: procuram dar exemplos ilustrativos, para enfatizar os conceitos abordados. Na maior parte do tempo, os docentes transmitem confiança aos estudantes e, consequentemente, uma imagem de extremo otimismo.
Outro ponto é que eles defendem que para que o novo esquema funcione bem, todos devem estar bem integrados, inclusive os funcionários da instituição e os pais dos alunos.
3- Autoquestionamento
Embora o uso de equipamentos seja uma constante no dia a dia das pessoas, o professor deve se questionar se é viável aplicá-los na sala de aula e qual a melhor forma de fazê-lo. Não seja impulsivo e analise as necessidades reais do uso de tecnologia.
4- São ativos
Um dos objetivos de adotarem tecnologias na sala de aula é o impacto positivo que conseguem causar nos alunos. Como a geração atual é muito conectada ao mundo virtual, os docentes conseguem aumentar a motivação dos alunos e torná-los mais interessados pela obtenção de conhecimentos.

5- Compartilhar conhecimentos
Os professores que pretendem implementar a tecnologia nas aulas costumam compartilhar muitas informações e quais são as melhores plataformas para serem utilizadas no universo acadêmico. Além disso, colaboram fornecendo conteúdos que podem ser benéficos para toda instituição de ensino.

Se ainda não se identificou, a sugestão é que você se intere sobre o assunto o quanto antes. O mundo digital veio para ficar e, se bem usado, só traz benefícios à educação.


quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Unesp oferece livros gratuitos de 43 áreas do conhecimento

A Universidade Estadual Paulista (Unesp), através da Cultura Acadêmica, está disponibilizando diversos livros gratuitos em 43 áreas do conhecimento.
Os livros para download estão disponíveis para o público em geral, e são voltadas para estudantes de graduação e pós-graduação que precisam de material de apoio para desenvolver projetos acadêmicos
Como a oferta é muito grande, há uma detalhada área de pesquisa em que você pode buscar as obras por título, autor, sub-título, categoria, série, coleção, edição, ISBN e até por palavra-chave. É bem fácil de encontrar os livro gratuitos que procura.
Os livros para download são da editora da Unesp e estão divididos por categorias. Podem ser encontrados acessando o link http://www.culturaacademica.com.br.

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Portal de Periódicos UFSC

O Portal de Periódicos da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) foi criado oficialmente em 5 de maio de 2008. É uma iniciativa institucional, alinhada aos princípios do Acesso Aberto. Possui como objetivo promover o acesso, a visibilidade, a segurança e o suporte aos editores dos periódicos científicos da Instituição.
Coordenado pela Biblioteca Universitária, conta com a presença de 44 publicações científicas, que utilizam para edição o Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas - SEER (versão 2.4.5).
Consulte as estatísticas de acesso do Portal.
Recomenda-se a utilização do browser Mozilla Firefox como navegador para uma melhor visualização do conteúdo do Portal de Periódicos-UFSC.
Para entrar em contato conosco, acesse o nosso sistema de chamados ou visite as perguntas frequentes.  



terça-feira, 22 de setembro de 2015

96% dos professores usam internet para preparar aulas









O professor brasileiro está conectado e quer aprimorar suas práticas pedagógicas com o uso de recursos educacionais digitais. No entanto, a formação e a infraestrutura ainda são um desafio para impulsionar o uso de tecnologia da informação e comunicação na escola. Os resultados são da pesquisa TIC Educação 2014, lançada hoje (21), pelo CGI.br (Comitê Gestor da Internet no Brasil).

Realizada entre setembro de 2014 e março de 2015, a pesquisa apresenta dados sobre o uso dos computadores e da internet por 930 escolas públicas e privadas, de ensino fundamental e médio, localizadas em áreas urbanas. Foram ouvidos 1.770 professores, 930 diretores, 881 coordenadores e 9.532 alunos. O levantamento mostra que 96% dos professores utilizam recursos obtidos na internet para a preparação de aulas ou atividades com os alunos, sendo que 92% deles fazem isso por motivação própria. Embora essa prática seja bastante recorrente, mais da metade dos educadores concordam com a afirmação de que ainda falta conhecimento sobre as possibilidades de uso pedagógico do computador e da internet.

A pesquisa mostrou que a formação e a conectividade ainda limitam o uso de recursos digitais na escola. Entre os professores de escolas públicas ouvidos, apenas 37% deles afirmaram ter cursado alguma disciplina específica sobre o uso pedagógico do computador e da internet durante a graduação. Para suprir essa lacuna e buscar capacitação, 57% dos educadores recorreram a cursos específicos de formação continuada (75% deles foram pagos pelos próprios professores, enquanto 27% foram oferecidos pelo governo ou secretaria de educação). O professor é um público que está conectado e tem interesse em se capacitar sobre as TIC.
A pesquisa também traz um recado importante para as políticas públicas ao mostrar que a formação inicial e continuada não são os únicos caminhos para garantir a atualização em relação ao uso das tecnologias da informação e comunicação. Entre 2013 e 2014, o número de professores que buscaram capacitação com a ajuda de outros colegas de trabalho cresceu de 6% para 17%. “A criação de redes de professores e contatos entre os pares é bastante importante”, destacou.
Além da demanda por formação, outro resultado que a pesquisa mostra é que a infraestrutura das escolas ainda é um fator limitante para a penetração do uso de TIC na escola. Embora 92% das escolas públicas urbanas já tenham computadores com acesso à internet, 41% delas contam com uma conexão de até 2 Mbps (megabits por segundo), considerada insuficiente para o desenvolvimento de uma série de atividades pedagógicas. 
Quanto aos equipamentos, a pesquisa identificou que a presença dos dispositivos móveis está crescendo, fazendo com que a sala de aula se torne um local mais frequente para o uso e da internet. Em 2010, os laboratórios de informática eram os espaços mais frequentes para o uso de computador e internet (70%), enquanto a sala de aula representava um percentual de apenas 7%. Em 2014, o uso em classe subiu para 30%, ao mesmo tempo que o laboratório passou para 55%. A partir dos equipamentos móveis, tablets e computadores portáteis, o uso do computador e da internet na sala de aula é facilitado, mas ainda temos muito o que avançar.

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Inscrição aberta para Mestrado gratuito na China

Estão abertas as inscrições para bolsas de estudo de Mestrado na China. O Programa Schwarzman Scholars oferece bolsas integrais para estudar um ano na Universidade Tsinghua, na China. O mestrado será gratuito, e será ditado em inglês e tem três áreas de estudo: Políticas Públicas; Economia e Negócios; e Estudos Internacionais. Não é necessário ter conhecimento prévio na área.
bolsa de estudo é integral e cobre todos os custos de estudo, além de alojamento, manutenção, transporte e seguro de saúde. A moradia será no campus da universidade. Os requisitos para conseguir a bolsa são: possuir graduação completa (até julho de 2016); dominar o inglês comprovado com diplomas como TEOFL ou IELTS e ter entre 18 e 29 anos (até 30 de junho de 2016).
As inscrições devem ser feitas até o dia 01 de outubro de 2015Para mais informações das candidaturas para as bolsas de estudo, acesse o site do Programa Schwarzman Scholars.


sexta-feira, 18 de setembro de 2015

“Educação na Cultura Digital” Curso de formação continuada para docentes

 Um dos principais benefícios da cultura digital na escola é a possibilidade de o estudante estar em rede, participar de comunidades de aprendizagem e não ficar isolado, restrito à sala de aula. A cultura digital precisa ser reconhecida pela escola, e as tecnologias, incorporadas ao currículo como recursos pedagógicos que favoreçam o processo de ensino-aprendizagem. O uso pedagógico dessas tecnologias, associado ao conteúdo especifico de cada disciplina do currículo, é um dos maiores desafios. Outro é a formação inicial e continuada dos educadores. Essa é a opinião da professora Rose Cerny, coordenadora de projetos institucionais de educação a distância do Núcleo Multiprojetos de Tecnologia Educacional da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).
Rose coordenou o desenvolvimento da proposta do curso de especialização “Educação na cultura digital”, promovido pelo Ministério da Educação, em parceria com a UFSC, e a produção de 31 módulos. Com duração de um ano e meio, o curso teve início no segundo semestre de 2014, como projeto-piloto, nas universidades federais de Roraima (UFRR) e de Ouro Preto (Ufop), além da UFSC. Voltado para educadores, dá prioridade a quem esteja em exercício como professor, gestor e formador dos núcleos de tecnologia estaduais e municipais. “O objetivo é formar educadores para integrar, crítica e criativamente, as tecnologias digitais de comunicação e informação aos currículos escolares”, explica Rose.
O curso oferece uma formação apoiada no compartilhamento de experiências que exploram, demonstram e analisam as possibilidades criativas da integração das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDIC) aos currículos escolares.
Um dos coordenadores do curso em Santa Catarina, o professor Henrique César da Silva, do Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica da UFSC, afirma que o propósito é permitir, num trabalho coletivo de ação e reflexão, que os integrantes da comunidade escolar “integrem crítica e criativamente as tecnologias digitais aos currículos, deem visibilidade e compartilhem esse trabalho”.
Mais de 600 educadores de cerca de cem escolas localizadas em todo o estado de SC participam das aulas. O curso, virtual, tem apoio da Secretaria de Educação do estado, da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) e das direções escolares. “Ele trata da relação entre currículo e tecnologias digitais, entre escola e cultura digital e tem núcleos específicos para gestores, formadores e professores de cada uma das disciplinas da educação básica”, destaca Henrique, que também é professor do Departamento de Metodologia de Ensino do Centro de Ciências da Educação da UFSC.




quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Educação Aberta e a distância: Rompendo Barreiras para Aprendizagem


Para aproximar a escola das demandas que emergem dessa nova sociedade, o Grupo de Pesquisa FormAÇÃO realizará dia 02 de outubro, às 13:00 horas, no Colégio Pedro II – Auditório da PROPGPEC, na cidade do Rio de Janeiro, um debate sobre Tecnologia Educacional “ Educação 3.0: Desafios da Escola na Contemporaneidade” entre docentes e pesquisadores da área, afim de pensarem em possibilidades de atuação pedagógica diante dos desafios da educação, destacando o uso da web, dos games e das tecnologias digitais dentro e fora da escola para a produção de mídias e conteúdos digitais, compartilhamento do saber, criação de redes de aprendizagem, democratização do ensino e seu impacto nas relações sociais e na aprendizagem. As inscrições são gratuitas e estarão disponíveis até dia 30 de setembro.
O Grupo de Pesquisa FormAÇÃO busca realizar grupos de estudos, pesquisas e cursos de extensão, visando a formação sóciopolítica de alunos e professores, sob a perspectiva da transformação social, nas temáticas relacionadas à Educação Inclusiva, Relações Étnicos-raciais, Tecnologias e Mídias na Educação.
Desde o final do século XX, temos vivenciado significativas transformações na sociedade no âmbito cultural, econômico, político, tecnológico e social, devido a rápida evolução das Tecnologias de Informação e Comunicação. Neste contexto, encontramos a escola, imersa numa sociedade hiperconectada, onde o acesso às informações de forma ilimitada, o uso de jogos eletrônicos e a facilidade de comunicação entre as pessoas, através das redes sociais e em dispositivos móveis têm contribuído para mudança de hábitos das pessoas, além de refletirem diretamente no processo de aprendizagem.





quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Seminário Construção de Política Brasileira de Educação ao Longo da Vida

A Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (Secadi) do Ministério da Educação, está realizando até sexta, 18/09, em Porto Seguro, Bahia, o seminário Construção de Política Brasileira de Educação ao Longo da Vida. O encontro abre debate sobre a criação de uma política pública que estabeleça o conceito de educação ao longo da vida (ELV) como um dos eixos da educação brasileira.
De acordo com o titular da Secadi, Paulo Gabriel Nacif, a educação ao longo da vida está muito ligada ao conceito de educação continuada e deve ser vista como um direito do cidadão. “A ideia é fortalecer a educação continuada; a educação ao longo da vida tem um vínculo direto com o Plano Nacional de Educação, na medida em que o aumento da escolarização e a eliminação do analfabetismo são pontos fundamentais do PNE”, disse. “O direito à educação ao longo da vida é reconhecido no mundo todo.”
Nas últimas duas décadas o Brasil participa de uma série de encontros multilaterais que definem a necessidade de adoção do conceito de ELV como base para a elaboração dos sistemas nacionais de educação. Entre tais encontros, o Brasil sediou a Conferência Internacional de Educação de Adultos (Confintea), em 2009.
O seminário Construção de Política Brasileira de Educação ao Longo da Vida tem como propósito debater as principais concepções e práticas de ELV e discutir os desafios, perspectivas e subsídios para formulação de uma política nacional. Serão apresentadas e debatidas 25 práticas, que contemplam uma mostra da diversidade de espaços de aprendizagem presentes na realidade brasileira.
Segundo Paulo Nacif, serão apresentadas experiências governamentais e não governamentais de educação formal e não formal, mantidas pelo setor público ou pela sociedade civil, que articulam intersetorialmente as diferentes dimensões da vida humana.
“Existem experiências na perspectiva da educação ao longo da vida acontecendo no Brasil com trabalhadores, na educação de jovens e adultos, nas universidades”, afirmou. “O que buscamos é uma troca de experiências para que possamos definir diretrizes para essa política.”


Fonte: Portal Mec

terça-feira, 15 de setembro de 2015

Professor da Unisul é convidado pela Casa Branca para workshop sobre ensino livre e gratuito

Levar conhecimento ao maior número de pessoas que não têm acesso a uma educação de qualidade, sem custo algum. Essa é a proposta da Educação Aberta, movimento iniciado há 12 anos para discutir educação em países em desenvolvimento.
Quem traz um pouco desse novo caminho para o Brasil é o professor Murilo Mendonça, da Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul) de Tubarão, convidado pela Casa Branca para participar de um workshop sobre o tema em Nova Iorque, nos Estados Unidos, no dia 28 de setembro.
A Educação Aberta oferece uma alternativa para os governos aumentarem o acesso à educação de qualidade e estimularem a inovação por meio de recursos gratuitos e de livre acesso, que podem ser adaptados e aprimorados – com apresentação moderna, gratuita e colaborativa utilizado por portais como a Wikipédia, por exemplo.
A diferença é que a maioria do material é fornecida por universidades e já vêm com garantia de qualidade. A primeira universidade a abrir as portas para essa possibilidade foi o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos, no início do movimento, há 12 anos.
— Eles se deram conta de que a universidade não é mais aquela clausura do conhecimento diante das tecnologias da internet e iniciaram todo esse movimento, liberando materiais para ver o que o mundo faria com eles — conta Mendonça.
Desde então, cerca de 300 universidades aderiram, entre elas a Unisul, há cinco anos. Foi quando o professor Murilo se tornou o primeiro brasileiro e latino-americano a integrar um grupo sobre Educação Aberta, eleito membro-direitor do Open Education Consortium (Consórcio de Educação Aberta) duas vezes.
Conhecimento na bagagem
O workshop que acontece no fim deste mês será baseado em questões oferecidas pelos 11 membros do Consórcio de Educação Aberta, do qual Mendonça é integrante.
Entre os pontos de interesse do professor estão os desafios enfrentados pelos Estados Unidos na formação de professores e criação da cultura de utilização da Educação Aberta. O objetivo é trazer o conhecimento na bagagem e aplicá-lo no Brasil.
— Nas universidades federais há uma cultura de apropriação da pesquisa, o professor acha que é o dono daquela tese de doutorado, daquela pesquisa que ele fez, quando na verdade as pesquisas foram subsidiadas por dinheiro público e ao público pertencem. Seria interessante mudar essa mentalidade e instaurar uma nova cultura de compartilhamento do conhecimento — defende Mendonça.
 
O QUE É A EDUCAÇÃO ABERTA

• É um movimento educacional que pretende garantir o livre acesso a oportunidades de aprendizagem, sobretudo nos países em desenvolvimento

• Uma das formas práticas em que se aplica é o acesso a cursos de educação a distância e e-learning, com muitos cursos ou materiais como livros e exercícios oferecidos gratuitamente

• O movimento tem se fortalecido no século 21 pelas facilidades proporcionadas pela tecnologia e pela internet

• O conteúdo pode ser utilizado para alta aprendizagem, tanto autônoma, como para uso de professores em sua própria formação e em sala de aula. Ou seja, além da educação tradicional, as pessoas podem ter acesso a uma educação informal, que pode ser reconhecida oficialmente pelas instituições de ensino.

SAIBA MAIS
•  Onde encontrar Recursos Educacionais Abertos (REA) em português e outras línguas:www.rea.net.br e educacaoaberta.org

•  No Brasil, além da Unisul, apenas a Fundação Getúlio Vargas oferece cursos oficialmente pelo Open Education Consortium
• A listagem de instituições pode ser acessada no link www.oeconsortium.org/providers

Texto de Kiara Domit


segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Inscrições abertas para bolsas de pós-doutorado no Canadá

Estão abertas as inscrições para bolsas de pós-doutorado no Canadá. O governo canadense está oferecendo 70 bolsas de estudos para estrangeiros e nativos interessados em conduzir um projeto de pesquisa nas áreas de Saúde, Ciências Naturais, Ciências Sociais, Engenharia e Ciências Humanas.
Para participar, os candidatos precisam ter o título de doutor ou então concluir o doutorado até o dia 15 de agosto de 2016 (entenda melhor este e os demais critérios de seleção).
Os selecionados poderão se dedicar às suas pesquisas durante 24 meses numa instituição de Ensino Superior no Canadá e receberão bolsa de 70 mil dólares a cada ano.
Os interessados no intercâmbio devem entrar em contato com a instituição canadense, apresentando sua proposta de pesquisa, já que são elas que decidirão se devem ou não apoiar as iniciativas enviadas.
As inscrições devem ser enviadas até 23 de setembro de 2015 via internet pelo site do programa Banting Postdoctoral Fellowships, que é quem oferece todas as bolsas para estudar no Canadá.
As bolsas de pós-doutorado serão concedidas conforme a área da pesquisa pelas instituições:


quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Aprendizagem no Brasil e o Uso de Dispositivos Móveis

A Columbia University apresentou em agosto uma pesquisa sobre o panorama das políticas públicas do Brasil na aprendizagem móvel. A pesquisa discorre sobre o uso das TICS na aprendizagem, se colabora para a expansão da Educação no Brasil e se o País tem incentivado o uso e a expansão dessas ferramentas.
Os estudos a partir de dados fornecidos pelo IBGE e pelo CETIC.br, apontam crescimento gradativo na população em geral, com a aquisição de dispositivos (celulares, notebooks e tablets), o universo da pesquisa mostra que professores são os que mais têm acesso a computadores de mesa e tablets e a internet em domicílio, se comparados à população em geral e aos alunos.
A abordagem aponta para parcerias com empresas de outras áreas de tecnologia mencionadas, com cessão de softwares e licenças para uso nas escolas. Entretanto, a necessária contratação de produtos (hardware) e serviços (software, provimento de internet, manutenção) desperta inseguranças de vários teores nos gestores, em especial em nível municipal.

Também é mencionada no estudo a regulação para uso pedagógico das tecnologias digitais, em especial em ambientes de rede e ambientes online, requer o desenvolvimento de parâmetros legais em nível nacional para subsidiar avanços nessa direção em nível local. Esse é um fator de extrema importância para o processo de consolidação de políticas de aprendizagem móvel no país.

FONTE: http://esud2015.uneb.br/

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

UNESP ABERTA OFERECE CURSOS ONLINE NA ÁREA DA EDUCAÇÃO DIRECIONADO A DOCENTES

Visando auxiliar no processo de qualificação de profissionais de várias áreas, a Unesp - Universidade Estadual Paulista - mantém o projeto 'Unesp Aberta', plataforma online dedicada à cursos online gratuitos que podem ser realizados por interessados de todo o país e está oferecendo 5 cursos online gratuitos na área da Educação direcionado à professores de todas as séries escolares.
Os conteúdos são ofertados através de videoaulas e e-books e, apesar de serem caracterizados como 'livres' e não oferecem certificação de conclusão, possibilita que profissionais atualizem-se em suas áreas e qualifiquem-se profissionalmente, a fim de encarar novos desafios.
Para participar dos cursos, basta se inscrever na plataforma da Unesp Aberta. Os cursos são disponibilizados durante todo o ano, sempre gratuitamente e a distância.

terça-feira, 1 de setembro de 2015

USP oferece curso gratuito na área de ensino e educação



A USP está oferecendo através do site da Univesp TV, um curso gratuito online sobre Tópicos de Epistemologia e Didática. Ele é voltado mais para professores e interessados em aprofundar o conhecimento na área de ensino e educação.
A Univesp TV é o canal de comunicação da Universidade Virtual do Estado de São Paulo, a quarta universidade pública paulista e visa ao incentivo à formação integral do cidadão.
Este curso de Tópicos de Epistemologia e Didática é apresentado gratuitamente em forma de videoaulas online, que você pode assistir a hora que quiser. Há ainda a possibilidade de fazer anotações sobre questionamentos, opiniões e dúvidas enquanto assiste o vídeo, e receberá tudo em seu e-mail.

São 13 aulas ministradas pelo docente Nilson José Machado da Faculdade de Educação da USP. Nestas aulas, o professor faz uma reflexão crítica sobre a função da educação e explica como buscar elementos que ajudem a reorganizar os espaços e os tempos escolares, bem como redefinir o papel e a autoridade do professor. É só acessar o site e começar a estudar.